Acesse o Portal do Governo Brasileiro
Ferramentas Pessoais

Modelo do Resumo Expandido

Clique aqui para obter o arquivo

Tamanho 642.0 kB - File type application/msword
Tela cheia

Conteúdo do arquivo


RESUMO EXPANDIDO

Título do trabalho:

Determinação de macronutrientes nas águas do rio Jaguaripe empregando ICP OES

Nome(s) do(s) Autor(es)

Instituição

Email

Caio Fernando Gromboni

IFBA - Campus Valença

João Matheus Santos Assis

IFBA - Campus Valença

Palavras-chaves

Águas, Rio Juaguaripe, Macronutrientes

Resumo

Nesse trabalho foram coletadas 06 amostras de água de diferentes pontos do Rio Jaguaripe, sendo superficial, com um metro de profundidade e água de fundo. Essas amostras foram acidificadas em laboratório e o teor de Na, K, Ca, Mg, P e S foram determinados empregando espectrometria de emissão óptica com plasma de argônio acoplado indutivamente.

Introdução

A qualidade das águas é um fator essencial para a sobrevivência do ser humano e a preocupação com a mesma torna-se cada vez mais freqüentes vistos episódios de contaminação antropogênica. A técnica de ICP OES surgiu na década de 70, uma vez que a capacidade multielementar e análise simultânea atraíram a atenção para esses equipamentos (MONTASER & GOLIGHTLY, 1992). Os primeiros equipamentos de ICP OES foram introduzidos comercialmente em 1974 e tornaram-se amplamente usados em análises de rotina. O ICP OES é um equipamento robusto que apresenta limites de detecção e quantificação baixos e permite a quantificação de vários elementos químicos em uma mesma análise (CINDRIC et al., 2011). Hoje em dia existem equipamentos com configurações da tocha nas posições axial e radial, sendo que os equipamentos com a tocha na posição axial apresentam melhores valores de sensibilidade, porém estão sujeitos a maiores interferências.

Nessa linha, o rio Jaguaripe foi escolhido como objeto de estudo desse trabalho. Esse rio pertence à bacia hidrográfica do Recôncavo Sul, desemboca na Baía de Todos os Santos, ao sul da ilha de Itaparica e está inserido na Região de Planejamento e Gestão das Águas (RPGA) IV, de acordo com o Plano Estadual de Recursos Hídricos, aprovado pela Resolução CONERH nº 43 de 02 de março. Trata-se de um rio onde predomina o manguezal, com uma grande diversidade de fauna e flora. Apresenta importância regional elevada na Bahia uma vez que atravessa diversas cidades do sul estado; além disso, possui extenso lagamar onde diversas espécies se reproduzem e é uma área comum de banhistas; trata-se de uma região bastante impactada por ocupação populacional informal e carente de infra-estrutura. Pode-se destacar ainda ocorrências de inundação de área urbana que são registradas principalmente na cidade de Nazaré, onde trechos antes navegáveis, que devido ao acelerado processo de assoreamento apresenta atualmente obstruções em sua calha e o conseqüente extravasamento. Nesse sentido a determinação dos teores de Na, K, Ca, Mg, P e S pode contribuir com informações relevantes sobre o perfil desses elementos químicos no curso do rio.

Metodologia

Todos os materiais utilizados no trabalho foram descontaminados em banho de HNO3 10 % v v-1 por no mínimo 24 h, lavados com água destilada e, finalmente, com água desmineralizada obtida a partir de um sistema de purificação de água. Reagentes de grau analítico e água ultrapura foram empregados para preparo das soluções.

A amostragem desempenha um papel fundamental na determinação exata do teor desses elementos, sendo escolhidos 6 pontos estrategicamente selecionados desde Nazaré até a Caixa Pregos onde o rio se encontra com o Mar na Baía de Todos os Santos. As amostras foram coletadas no mês de Dezembro de 2012, sendo que as coletas eram realizadas em triplicata visando uma maior homogenidade e precisão dos resultados obtidos, empregando uma garrafa que segue os princípios da garrafa de Vandorf. A tabela 1 apresenta as coordenadas dos pontos escolhidos:

Tabela 1. Coordenadas relativas aos pontos de coleta das amostras.

Ponto

S

O

1

-13.11

-38.89

2

-13.1192087°

-38.8490967°

3

-13.1245104°

-38.8360629°

4

-13.1104931°

-38.9034252°

5

- 13.601160°

-38.5544078°

6

-13.1001908°

- 38.924027°

As determinações totais dos elementos químicos foram realizadas utilizando-se ICP OES com configuração radial em colaboração com a Embrapa - Pecuária Sudeste (CPPSE).

Resultados e discussões

A tabela 2 ilustra os resultados obtidos das análises das amostras nos diferentes pontos de amostragem.

Tabela 2. Teores dos elementos químicos Na, K, Ca, Mg e S determinados nas águas do rio Jaguaripe em diferentes pontos e profundidades empregando ICP OES.

0x01 graphic

No ponto 1, as concentrações correspondentes a amostra da água de fundo não foram realizadas (NR); já no ponto 6, a água de fundo já correspondia a 1 m de profundidade. É possível observar que as menores concentrações de todos os elementos químicos foram observados no ponto 6, sendo que houveram casos onde os valores ficaram abaixo do limite de quantificação (<LD). Esse ponto é a cabeceira do rio e sofre menor influência da maré, dessa forma, é de se esperar que os teores de Na fosse reduzidos; o ponto 5, apesar de ser localizado no centro da cidade de Nazaré, também apresentam baixos teores dos elementos químicos analisados. Para as determinações de Na, foi possível notar que os maiores valores encontrados, estão no ponto 2 da amostragem, sendo que não existe diferença entre os valores encontrado na superfície, com 1 metro de profundidade ou no fundo do rio. Já para K, Ca, Mg e S, as maiores concentrações são encontradas no ponto 1 da coleta, situado próximo da cidade de Caixa-Prego, que acaba sofrendo forte interferência da Maré, pois está localizado próximo da Baía de todos os Santos. Ainda é possível observar que os valores encontrados na água superficial não variam muito em relação aos valores encontrados nas amostras coletadas com 1 m de profundidade ou nas amostras coletadas no fundo do leito do rio.

Conclusões

Diante dos resultados obtidos, é possível concluir que os menores valores de concentração encontrados foram coletados na cabeceira do rio e que não existe relação entre os resultados dos elementos químicos analisados e as diferentes profundidades.

Referências

[1] MONTASER, A. & GOLIGHTLY, D. W. Inductively Coupled Plasmas in Analytical Atomic Spectroscopy. New York: VCH Publisher, 1992.

[2] CINDRIĆ I. J.; ZEINER, M.; KRÖPPL, M. & STINGEDER, G. “Comparison of sample preparation methods for the ICP-AES determination of minor and major elements in clarified apple juices”. Microchem. J., 99 (2): 364, 2011.

Apoio

FAPESB e IFBA.

V ENCONTRO NACIONAL DOS NÚCLEOS DE PESQUISA

APLICADA A PESCA E AQUICULTURA

Morro de São Paulo (BA) - 03 a 06 de Dezembro de 2013

Ações do documento